Você está aqui
Início > Policia > OPERAÇÃO ‘GÁS TÓXICO’ PRENDE EX POLICIAL POR ENVOLVIMENTO COM VENDA ILEGAL DE GÁS DE COZINHA

OPERAÇÃO ‘GÁS TÓXICO’ PRENDE EX POLICIAL POR ENVOLVIMENTO COM VENDA ILEGAL DE GÁS DE COZINHA

Uma mega operação do Exército Brasileiro, da Secretaria estadual de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro (Seap), da Polícia Civil de Minas Gerais e da Agência Nacional de Petróleo (ANP), desencadearam, na última sexta-feira (24), a Operação Gás Tóxico. Nove pessoas envolvidas com a venda ilegal de gás de cozinha na cidade de Japeri, na baixada do Rio de Janeiro foram presas.

Umas das prisões foi realizada pelas Polícias Civis de Viçosa e Ubá, que capturaram o ex-policial militar da PM do Rio de Janeiro Luiz Fábio Faria Lima, conhecido como “Fabinho do Gás”, que se encontrava foragido da justiça na cidade de Muriaé.

O ex policial militar fazia parte da quadrilha e foi preso na cidade de Muriaé. Imagem: Polícia Civil de Minas Gerais.

Segundo a polícia a quadrilha atuava desde o mês de janeiro de 2017, que mediante violência e grave ameaça, constrange os comerciantes e revendedores de botijões de gás do município de Japeri a efetuarem depósitos periódicos em contas correntes indicadas pelos investigados.

Entre os suspeitos de integrarem a quadrilha estão: Erly da Silva Gonçalves, o “Lico do Gás”, ex-candidato a vereador do município de Japeri, Luiz Fábio Faria Lima, o “Fabinho do Gás”, ex-policial militar, Reinaldo Alves, o “Neno”, assessor da Secretaria de Educação da Prefeitura Municipal de São João do Meriti, Ernesto Luiz da Silva Marinho, o “Nino”, pastor evangélico no município de Japeri, Adriano Felipe Santana da Silva, o “Chuck”, cabo do Exército Brasileiro e Cleiton Damásio Rodrigues.

De acordo com as investigações, além de obterem vantagens patrimoniais ilícitas, os investigados impediam a livre concorrência na localidade, impondo taxas e ajustando preços, exercendo assim de forma “manu militari” o controle regionalizado do mercado de gás.

Com informações da Polícia Civil de Minas Gerais e do Jornal Extra

Deixe uma resposta

Top