JUSTIÇA CANCELA FESTA DOS 145 ANOS DE VIÇOSA DEVIDO À FALTA D’ÁGUA
29 de setembro de 2016

Nesta sexta-feira 30, Viçosa completará 145 anos de emancipação política e a Prefeitura havia preparado um semana cheia de festividades com cantores de renome nacional para que os viçosenses pudessem comemorar o aniversário da cidade com grande estilo e de forma gratuita.

A festa que ocorreria entre os dias 24 e 30 deste mês foi cancelada pela justiça após o presidente local do Partido Ecológico Nacional (PEN) Raimundo Eunício Barros, popularmente conhecido com “Bajá”, ofereceu denúncia contra a realização da festa junto ao Ministério Público de Minas Gerais, que acionou a justiça pedindo o total cancelado das festividades em decorrência da seca que afeta Viçosa.

A denuncia se baseou no decreto assinado pelo prefeito Ângelo Chequer, que proíbe a realização de festas e eventos para mais de 600 pessoas em todo o território viçosense como forma de evitar o consumo exagerado de água na cidade durante a realização destes eventos.

No documento que foi encaminhado ao Ministério Público o presidente do PEN solicita que seja cumprindo o Decreto 4.891/2015, que proíbe as festas ou eventos em Viçosa com público acima de 600 pessoas. Bajá alegou do Decreto quando uma festa universitária de dois dias foi realizada na cidade e que contou com a participação de cerca de 20.000 pessoas.

Com tais alegações a justiça entendeu necessária a denuncia e concedeu liminar proibindo o município de realizar as comemorações dos 145 anos de Viçosa e definiu ainda uma multa de 100 mil a um milhão de reais caso o município não respeite a decisão.

Procurada por nossa reportagem a Prefeitura através de nota enviada pela Assessoria de Imprensa afirmou que os eventos em comemoração ao aniversário da cidade não afetariam o abastecimento de água da população, mas que cumpriria prontamente a decisão da Justiça.

Acrescenta ainda que junto com o Saae, tem adotado providências efetivas nos últimos meses para reduzir os efeitos da estiagem, promovendo alterações para aumentar a capacidade de tratamento de água na ETA II, e com isso diminuir a demanda de água proveniente do Ribeirão São Bartolomeu, onde estão sendo registradas constantes variações na vazão.
A Procuradoria Geral do Município está adotando as medidas legais para resguardar o interesse público e o cumprimento da legislação.

Nem mesmo o desfile cívico que estava programado para acontecer na manhã desta sexta-feira 30, poderá acontecer.

publicidade

publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade