CidadeEconomia

EM SETEMBRO INFLAÇÃO DEIXOU CESTA BÁSICA MAIS BARATA EM VIÇOSA

A inflação do mês de setembro em Viçosa ficou em 0,78%, revertendo a deflação do mês de agosto e a cesta básica ficou mais para o bolso do trabalhador viçosense. Essas informações foram divulgadas pelo  Departamento de Economia da UFV, que calcula o Índice de Preços ao Consumidor de Viçosa (IPC Viçosa).

Além da Alimentação, apenas o grupo Artigos de Residência teve queda de preços, todos os outros cinco (Vestuário, Habitação, Educação e Despesas Pessoais, Transporte e Comunicação e Saúde e Cuidados Pessoais) registraram inflação. Só o Grupo Habitação foi responsável por 58,59% no valor do IPC Viçosa, com reajuste no preço do gás de cozinha.

No mês de setembro, o custo da cesta básica em Viçosa recuou 6,45%, fato que não ocorria desde maio deste ano. A nível nacional, o custo do conjunto de alimentos básicos apresentou comportamento diferente entre as 27 capitais brasileiras, ocorrendo alta em 13 cidades e redução em outras 14, conforme Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

Para Viçosa, os produtos que mais contribuíram para a redução do valor da cesta básica foram: Batata inglesa (-32,50%), Banana-prata (-23,35%) e Tomate (-17,69%). Destaque para a batata inglesa, cuja colheita da safra de inverno reduziu o preço do tubérculo no varejo.

Cesta básica

O custo da cesta básica, em Viçosa, no mês de setembro foi de R$328,05, ou seja, R$22,61 mais barata em comparação ao mês de agosto, cujo custo havia sido de R$350,66. O trabalhador viçosense que ganhou um salário-mínimo de R$880,00 em setembro, gastou 37,28% de sua renda para adquirir os produtos que compõem a cesta básica de alimentação, sendo que em agosto, tal valor havia sido de 39,85% da renda.

Dessa forma, em setembro, após a aquisição da cesta básica, restou ao trabalhador R$551,96 para atender às demais despesas de moradia, saúde e higiene, serviços pessoais, vestuário e transporte. Em termos de horas trabalhadas, no mês de setembro, foram necessárias 82,01 horas para adquirir os produtos da cesta básica de alimentação, enquanto, em agosto, tal valor fora de 87,67 horas.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido! © Copyright Primeiro a Saber.
Fechar
Fechar