fbpx
CidadeDestaque da semanaMeio Ambiente

SEGUNDA ETAPA DE CONSULTA PARA CRIAÇÃO DA APA DO SÃO BARTOLOMEU ACONTECE EM MEIO À SECA NAS REPRESAS E NAS TORNEIRAS

A principal fonte de água potável para consumo dos moradores de Viçosa e abastecimento da Universidade Federal de Viçosa é o ribeirão São Bartolomeu, que há anos vem sofrendo com o esgoto que é despejado desordenadamente no seu leito e por construções de prédios residenciais e comerciais que fincaram suas fundações em cima do ribeirão e o canalizaram em alguns trechos.

Mau cheiro e a diminuição do volume d’água do ribeirão e das represas de captação d’água na UFV são visíveis e a natureza vem dando o recado de que o São Bartolomeu não aguenta mais tanta agressão. Recado que os viçosenses vem sentindo nos últimos dias, onde diversos moradores reclamam, que estão sem uma gota d’água nas torneiras há mais de 4 dias e que estão sendo abastecidos por caminhões pipa do SAAE.

A etapa online da consulta pública sobre a proposta de criação da Área de Proteção Ambiental da Bacia do São Bartolomeu termina hoje(Você pode dar sua contribuição clicando aqui).

Durante 5 meses, o documento ficou disponibilizado na página da Prefeitura na internet para consulta da população. Na mesma página os interessados puderam enviar sugestões, críticas e dúvidas sobre a proposta.

Todas as dúvidas e questionamentos serão respondidos nesta quinta-feira (14), durante a sessão presencial desta consulta pública. A reunião acontecerá às 18h30, no Salão Nobre Professor Arduíno Bolivar, no segundo piso do Centro Administrativo Municipal Prefeito Antônio Chequer, localizado à Rua Gomes Barbosa, n° 803, Centro.

A consulta pública será presidida pela Diretora de Meio Ambiente da Prefeitura de Viçosa, Iolanda Gonçalves. Inicialmente a proposta será apresentada na íntegra. Após, será aberto o momento de manifestação dos interessados e resposta às perguntas recebidas no local e pelo site da Prefeitura.

O limite da área a ser protegida já foi definido e inclui as Sub-Bacias do Córrego Santa Catarina (Mata do Paraíso), do Córrego do Palmital, do Córrego do Engenho, do Paraíso, da Fazenda Almiro Paraíso e das Micro-Bacias do Deserto e do Romão dos Reis. Além da definição da área de abrangência, a APA já possui um estudo técnico de caracterização sócio-ambiental.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo