EconomiaEducaçãoMinas Gerais

FRENTE PARLAMENTAR PRONUNCIA-SE SOBRE CORTES NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

A Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Federais pronunciou-se nesta terça-feira, dia 30, sobre a decisão do Ministério da Educação de contingenciar recursos da Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade Federal da Bahia (UFBA). De acordo com a deputada federal Margarida Salomão, coordenadora da Frente Parlamentar, essas declarações são o gesto que melhor representa a face autoritária do governo Bolsonaro. “Autoritária porque ataca a liberdade de expressão em ambiente público. Iniciativas como essa apenas alimentam ações violentas e ditatoriais que visam perseguir o pensamento divergente e a liberdade de pensamento e expressão”, destaca.
Segundo Margarida, as universidades já estão enfrentando cortes orçamentários há algum tempo e atualmente funcionam com os mesmos valores de custeio que operavam há mais de dez anos, em 2006. “O grave é que, além da redução orçamentária, ainda há cortes na execução financeira e todos os orçamentos universitários estão sendo bloqueados em cerca de 20% da previsão inicial. No caso da UnB, UFF e UFBA, o montante bloqueado alcançou 30%, tudo por conta do ministro não concordar com atividades realizadas por estas instituições. As universidades públicas são espaços da inteligência praticada com liberdade, irreverência e, principalmente, com respeito ao contraditório e multiplicidade de perspectivas”, frisa a deputada que foi reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), entre 1998 e 2006. A instituição também está sob avaliação do MEC, para possível bloqueio financeiro.
Margarida Salomão enfatiza que as universidades são em essência espaços democráticos da vida intelectual e da liberdade de expressão. “Nós não admitiremos nenhuma afronta à liberdade acadêmica e nem admitiremos nenhuma ameaça à autonomia das universidades. Iremos lutar para que elas mantenham a capacidade orçamentária e tenham suas gestões financeiras restauradas, para que possam continuar a prestar seus serviços à população brasileira, serviços esses que são imprescindíveis à implementação de um projeto de desenvolvimento soberano para o nosso país”.
Confira aqui na íntegra da nota elaborada pela Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Federais sobre as manifestações do ministro da Educação.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido! © Copyright Primeiro a Saber.
Fechar