fbpx
CidadeEducação

SERVIDORES DE ESCOLAS MUNICIPAIS TRABALHARÃO EM REGIME DE 6 HORAS DIÁRIAS A PARTIR DE AGOSTO

As auxiliares de Serviços Gerais e de administração das escolas da rede municipal de Educação se reuniram na sede da prefeitura com o prefeito municipal, Ângelo Chequer, e a secretária de Educação, Ana Monteiro. Em pauta, a solicitação de exercerem seis horas corridas por dia de trabalho. Há algum tempo, a Secretária de Educação recebeu essa reivindicação por meio dos diretores das escolas e então inicio e um diálogo com o prefeito sobre o assunto.

Foi um longo processo de negociação. Ao receber a demanda, a Secretária de Educação, Ana Monteiro, ajustou o pedido com as diretoras, identificando os prós e contras dessa medida. Segundo ela, “a prioridade da administração é manter a excelência na prestação do serviço à população e se, no cumprimento da carga horária de 6 horas, não houver prejuízo da qualidade do serviço prestado, cabe a cada categoria verificar a viabilidade disso”.

O representante do SINFUP (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais), Emerson Carneiro, e a representante do SIND-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação), Rita Maria dos Santos Soares, agradeceram ao prefeito e à secretária de educação pela sensibilidade e por abrir as portas do gabinete para um diálogo respeitoso e sincero com a categoria.

Para Eva Maria Rodrigues, servidora na Escola Municipal Pe. Francisco José da Silva há 30 anos, é muito importante ser ouvida, independente de sermos atendidos ou não. Para ela “essa é uma conquista dos servidores e uma motivação a mais para continuar prestando um serviço de qualidade”.

Durante a reunião, o Prefeito Ângelo Chequer enalteceu o processo feito pela Secretária de Educação como modelo de negociação para os demais servidores. Disse que toda reinvindicação tem que ser ouvida, seja para atender ou não. Segundo ele, é preciso ter muita responsabilidade em decisões como essa – “Eu, por mim mesmo e pela secretária de educação que é quem negociou essa proposta com vocês, tenho inteira confiança de que vocês irão continuar prestando o serviço de qualidade que nossa população merece sempre alinhadas com suas diretoras”.

Ângelo ressaltou que boa parte do salário pago aos servidores da educação vem de verba enviada pelo governo estadual. O que não ocorreu durante um bom tempo. Ele relatou como tem sido difícil manter salários em dia diante da crise que vivemos.

A decisão de redução da carga horária desses servidores de 8h para 6h  é administrativa e experimental nos primeiros meses, a partir de agosto. Essa foi a primeira categoria que reivindicou junto à sua respectiva secretaria e obteve dela o empenho para a busca de uma solução sem prejuízo da prestação do serviço público.

Fonte: Prefeitura de Viçosa.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo