fbpx
EconomiaPaís

PIB fecha 2020 com maior queda da história

Com a queda, o Brasil deixou o top-10 das economias mundiais. Em 2019 ocupava a 9ª posição e agora caiu para a 12ª.

Mesmo com o crescimento de 3,2% no quarto trimestre de 2020, o PIB brasileiro fechou o ano com uma queda de 4,1%, totalizando R$ 7,4 trilhões. É o maior recuo anual da história da série, iniciada 24 anos atrás.

Além disso, essa queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%. Os dados são do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, divulgado hoje, quarta-feira,, pelo IBGE.

“O resultado é efeito da pandemia de Covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. Mesmo quando começou a flexibilização do distanciamento social, muitas pessoas permaneceram receosas de consumir, principalmente os serviços que podem provocar aglomeração”, analisa a coordenadora de Contas Nacionais, Rebeca Palis.

Além disso, com a queda, o Brasil deixou o top-10 das economias mundiais. Em 2019 ocupava a 9ª posição e agora caiu para a 12ª, segundo levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating.

Imagem: Reprodução

Serviços e indústrias recuam; agropecuária cresce

Em 2020, os serviços encolheram 4,5% e a indústria, 3,5%. Somados, esses dois setores representam 95% da economia nacional. Por outro lado, a agropecuária cresceu 2,0% no ano passado.

Nos serviços, o menor resultado veio de outras atividades de serviços (-12,1%), que são os restaurantes, academias, hotéis. “Os serviços prestados às famílias foram os mais afetados negativamente pelas restrições de funcionamento. A segunda maior queda ocorreu nos transportes, armazenagem e correio (-9,2%), principalmente o transporte de passageiros, atividade econômica também muito afetada pela pandemia”, acrescenta Rebeca.

Caíram ainda, no setor de serviços, as atividades de administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-4,7%), comércio (-3,1%), informação e comunicação (-0,2%). Já atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (4,0%) e as atividades imobiliárias (2,5%) avançaram em 2020.

Na indústria (-3,5), o destaque negativo foi o desempenho da construção (-7,0%), que voltou a cair depois da alta de 1,5% em 2019. Também apresentaram queda as indústrias de transformação (-4,3%), influenciadas pelo recuo na fabricação de veículos automotores, outros equipamentos de transporte, confecção de vestuário e metalurgia.

Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos caíram 0,4%. As indústrias extrativas, porém, avançaram 1,3%, devido à alta na produção de petróleo e gás que compensou a queda da extração de minério de ferro.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo