fbpx
Minas GeraisPolítica

Governo de Minas pede apoio ao Ministério da Saúde para que não falte oxigênio no estado

Secretário de Saúde disse que não há crise no abastecimento, mas que o estado deve se preparar.

O governo de Minas Gerais pediu nesta terça-feira (16) ajuda ao Ministério da Saúde para que não falte oxigênio no estado. Em nota, o estado adiantou que “as empresas fornecedoras de oxigênio estão fazendo uma reestruturação logística para atender a alta demanda”.

Em sua primeira entrevista coletiva como secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, disse que há preocupação em relação aos leitos criados para combater a Covid-19.

“A maioria dos hospitais grandes com leitos de CTI utilizam grandes reservatórios de oxigênio. Mas para os leitos que estão sendo criados não dá tempo dessa estrutura, e são leitos com cilindro de oxigênio. A logística desse insumo é complexa, tem que se trocar várias vezes por leito e o paciente Covid exige muito oxigênio”, disse ele.

O secretário afirmou que não há crise de abastecimento, mas o estado deve se preparar.

‘Qualquer contaminado a mais pode ser um óbito a mais’

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse nesta terça-feira (16), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, que não há alternativa a não ser implantar a onda roxa, a mais restritiva do programa Minas Consciente, em todo o estado por causa do coronovírus.

A partir desta quarta-feira (17), apenas serviços essenciais devem funcionar em todos os 853 municípios mineiros.

“Agora nós começamos a assistir cenas de terror; pessoas estão clamando por atendimento”, diz Zema.

Minas Gerais tem 980.687 casos de Covid-19 confirmados até agora. Nesta terça-feira, de acordo com a SES, havia 2.514 pacientes com a doença internados em leitos de UTI. Uma taxa de ocupação equivalente a 86,16%.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo