fbpx
Minas GeraisSaúde & Bem Estar

‘Se não adotarmos essas medidas, pessoas vão morrer na rua’, diz Zema sobre prefeituras fora da Onda Roxa

Governador deu entrevista exclusiva à EPTV Sul de Minas nesta quinta-feira (18) e comentou sobre municípios da região que se rebelaram contra a medida.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), reafirmou em entrevista exclusiva à EPTV Sul de Minas, Afiliada Rede Globo, nesta quinta-feira (18), que as regras impostas pela Onda Roxa são obrigatórias para todos os municípios. Ainda segundo o governador, caso as restrições não sejam cumpridas, a situação do sistema de saúde que ele já classifica como ‘em colapso’, pode ficar ainda mais dramática, com o risco até de pessoas morrerem nas ruas.

“O que nós estamos esperando é que o número de novos casos caia expressivamente e consequentemente o número de pessoas que procuram o atendimento hospitalar, para que ninguém corra o risco de falecer na calçada, porque o que pode acontecer caso a gente não tenha essas mudanças que estamos implementando, é que as pessoas daqui a pouco vão falecer na rua, porque não há condição de dar o atendimento que as pessoas merecem com dignidade necessária e quanto mais o vírus circula mais cepas novas vão surgir, o vírus é mutante, já está claro isso, então nós estamos não só ajudando a salvar vidas, como a evitar o surgimento de vírus mais agressivos que surgem em uma situação igual essa”, disse o governador.

No Sul de Minas, pelo menos três cidades seguem sem aderir à Onda Roxa que passou a valer no estado desde quarta-feira (17). Uma delas é Varginha, que divulgou um novo decreto com restrições, mas não aderiu às regras do governo. Ainda segundo Romeu Zema, o Ministério Público e a Justiça vão trabalhar para que todos os municípios sigam as regras do estado.

“Nós temos a Onda Roxa que é uma onda impositiva para todo o Estado. É lógico que nem todos seguem o que é determinado e vai caber ao Ministério Público juntamente com o Tribunal de Justiça estar analisando esses casos, que com certeza, deverão ser revertidos. Nós estamos em uma situação extremamente crítica e a nossa prioridade é salvar vidas. É uma decisão difícil que afeta muito a vida das pessoas que eu gostaria de não ter tomado, mas como você deixa de tomar uma decisão que visa a salvar vidas? Então eu tenho certeza que o bom senso, dessa prioridade que é a vida humana, vai prevalecer”, disse o governador.

Recorde de casos e protestos

Nesta quinta-feira, o Sul de Minas voltou a bater recorde de novos casos da Covid-19 após quase dois meses. Foram mais de 1,9 mil novos casos confirmados na região. Romeu Zema também comentou o caso de Poços de Caldas, que aderiu à Onda Roxa, mas que registrou protesto de comerciantes que se aglomeraram em frente à prefeitura contra a decisão.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo