fbpx
PaíssaúdeSaúde & Bem Estar

Ministério da Saúde anuncia 3ª dose de vacina contra a Covid-19 para setembro; veja grupos

A vacinação é indicada para idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos. Imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer.

O Ministério da Saúde anunciou, nesta quarta-feira, que a dose de reforço contra a Covid-19 será oferecida no Brasil para idosos acima de 70 anos e também para pessoas com baixa imunidade (imunossuprimidos) que tomaram qualquer tipo de vacina durante a campanha de imunização.

De acordo com a pasta, as doses devem ser enviadas aos estados a partir do dia 15 de setembro e o imunológico de preferência para a aplicação da dose de reforço é o da Pfizer, mas, as vacinas da AstraZenca e Janssen também poderão ser utilizadas.

Em relação aos idosos, a aplicação da terceira dose é recomendada para àqueles que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses. Já no caso dos imunossuprimidos, eles devem esperar 28 dias após a segunda dose.

Os pacientes “imunossuprimidos” incluem por exemplo, pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado, o que deixa o paciente mais suscetíveis a infecções.

Doses antecipadas

O ministério também disse que o intervalo entre as doses da Pfizer e da AstraZeneca será reduzido a partir de setembro: passará de 12 semanas para 8 semanas. O governo ainda não detalhou como será feita essa antecipação e disse que uma nova orientação sobre as recomendações será enviada aos gestores em breve.

Algumas cidades já começaram a antecipação. Na capital paulista, por exemplo, a prefeitura abriu a “xepa” de segunda dose na segunda-feira (23). Quem tomou Pfizer ou AstraZeneca há mais de 30 dias pode se inscrever em uma lista de espera.

A Secretaria Municipal da Saúde de Aracaju também está adiantando doses da AstraZeneca e Pfizer. Quem precisa receber o reforço vacinal até 4 de setembro pode procurar um dos pontos de vacinação.

Dose de reforço é indicada

Segundo o ministério, as decisões foram tomadas em conjunto com Conass, Conasems e a Câmara Técnica Assessora de Imunização Covid-19. Na semana passada, os diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendaram a dose de reforço em “caráter experimental”, para idosos acima de 80 anos e pessoas com a imunidade comprometida que tomaram a vacina CoronaVac.

Um estudo realizado pelo Instituto do Coração (InCor) e Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) também apontou a necessidade desse reforço em pessoas com mais de 55 anos que receberam a CoronaVac.

No entanto, estudos também apontam que outras vacinas podem perder a proteção e uma dose extra pode ser necessária para algumas pessoas. Uma pesquisa feita no Reino Unido, por exemplo, apontou que a proteção após o esquema vacinal completo da Pfizer diminuiu de 88% em um mês para 74% em até seis meses. No caso da AstraZeneca, a queda foi de 77% para 67% até cinco meses.

Países como Israel e Chile já começaram a aplicar a dose de reforço. Na semana passada, os Estados Unidos anunciaram que a dose extra será dada a partir de setembro.

Estudos de 3ª dose no Brasil

  • Pfizer: investiga os efeitos, a segurança e o benefício de uma dose de reforço da sua vacina, a Comirnaty. O imunizante extra será aplicado em pessoas que tomaram as duas doses completas há pelo menos seis meses.
  • AstraZeneca (nova versão): a farmacêutica desenvolveu uma nova versão da vacina que está em uso no país, buscando proteção contra a variante beta. Parte do ensaio clínico prevê que uma dose da nova versão da vacina (AZD2816) seja aplicada em pessoas que receberam as duas doses da versão atual da AstraZeneca (AZD1222).
  • AstraZeneca (usada no país): avalia a segurança, a eficácia e a imunogenicidade de uma terceira dose da versão original da vacina da AstraZeneca (AZD1222) em participantes do estudo inicial que já haviam recebido as duas doses do imunizante, com um intervalo de quatro semanas entre as aplicações.
  • CoronaVac: o grupo será dividido em quatro: 25% vão receber como terceira dose a vacina da Pfizer, 25% da AstraZeneca, 25% da Janssen e 25% da CoronaVac. O objetivo é saber se a terceira dose vai aumentar o número de anticorpos. Os pesquisadores também vão avaliar a segurança dessa terceira dose, possíveis reações, como febre e dor, já que serão testadas vacinas diferentes em cada grupo.

Nos últimos dias, a Anvisa também solicitou mais informações sobre as doses de reforço aos fabricantes das vacinas da Pfizer e AstraZeneca. Uma reunião com a Janssen também está prevista para esta semana. “O objetivo é antecipar informações para avaliar o cenário em torno da necessidade ou não de doses adicionais das vacinas contra Covid-19 em uso no Brasil”, explicou a agência.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo