Procon de Viçosa orienta consumidores e lojistas na ‘Black Friday’
25 de novembro de 2021

O Procon de Viçosa, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Fazenda, acompanha e orienta as ações de consumidores e lojistas para a ação promocional conhecida como “Black Friday”.

O diretor do Procon, Celso Alves, reforça a necessidade dos cuidados durante as compras: “apesar da aparente oportunidade para aquisição de produtos e contratar serviços com melhores descontos e preços abaixo dos habituais, durante a Black Friday também se verifica o aumento do risco de os consumidores terem seus direitos violados, sendo necessária atenção, prudência e imediata comunicação de eventual desrespeito às normas consumeristas”, explica.

Veja 7 dicas que o Procon de Viçosa preparou:


1) Consciência:

Defina previamente o que você realmente precisa e deseja comprar ou contratar durante a Black Friday, bem como o quanto poderá gastar. Planejamento é essencial.


2) Comparação:

Para compras virtuais utilize mecanismos para confrontar os preços e verificar o histórico dos valores, permitindo saber se o desconto anunciado e o preço praticado durante a Black Friday realmente configuram como promoção. Os sites BuscapéZoomBondfaro, Jacotei e outros podem ser úteis para a comparação. Para as lojas físicas, o ideal é realizar uma pesquisa de mercado, com a visita ao maior número possível de estabelecimentos.



3) Segurança:

  • Desconfie de preços muito abaixo da média do mercado. Isso pode sinalizar golpe ou produto com baixa qualidade;
  • Cuidado com as ofertas apresentadas via e-mail, redes sociais e aplicativos de mensagens, como WhatsApp, Telegram e SMS. Na dúvida, entre no site oficial da loja e confirme o valor anunciado. Ao se valerem de links recebidos, os consumidores correm o risco de direcionamento para sites clonados (páginas falsas) ou para programas eletrônicos maliciosos, contendo vírus, spyware, etc., sendo possível a captura de dados do dispositivo eletrônico e o cometimento de fraudes ou golpes;
  • Nas compras online, priorizar lojas conhecidas e com boas referências. Para isso, os sites consumidor.gov.br e reclameaqui.com.br, bem como buscadores virtuais, como o Google, podem auxiliar na verificação da reputação do estabelecimento. Importante que nos sites constem informações da empresa, obrigatórias por lei, como razão social, CNPJ, endereço físico da sede, telefone, e-mail ou formulário eletrônico para contato e a política de trocas e devoluções;
  • Para verificar se uma loja virtual é segura, procure pelo ícone de cadeado acompanhado da sigla “HTTPS” na barra de endereços. Isso indica que as comunicações entre o site e seu computador ou celular são criptografadas, o que aumenta a segurança dos dados. Atente-se se o “HTTPS” estará presente também na página final da compra. Caso contrário, não insira suas informações pessoais e financeiras.

4) Pagamento:

  • Sendo possível, valer-se de formas seguras para pagamento, como cartão de crédito, por ser maneira mais segura para eventual solicitação de cancelamento da compra, no caso de não recebimento do produto ou suspeita de fraude. Importante ressaltar que grande parte das fraudes ocorre por estabelecimentos virtuais cuja forma exclusiva de pagamento se dá mediante boleto bancário, PIX ou depósito em conta (principalmente a de pessoas físicas);
  • Optando pelo pagamento mediante boleto bancário, verificar se o nome do beneficiário do boleto e demais dados encontram-se corretos;
  • Atentar-se às formas de pagamento oferecidas e, optando por pagar parcelado, verificar os juros aplicados. Lembre-se: as lojas podem cobrar valores diferenciados de acordo com a forma de pagamento escolhida (dinheiro, boleto bancário, cartão de crédito, cartão de débito, PIX, cartão próprio, etc.), desde que claramente informado aos consumidores;
  • Verifique no preço total do produto se consta, de forma camuflada, algum valor referente à garantia estendida ou seguro similar. A imposição desses, serviços sem que o consumidor tenha solicitado ou consentido, constitui venda casada e é vedada pelo CDC;
  • Atenção para a diferença de preço ao finalizar a compra. Há registros de alteração do preço após a seleção do produto e, principalmente, quando iniciado o processo de finalização de compra e pagamento.

5) Entrega:

Verifique o prazo de entrega e desconfie de prazos muito longos, pois, muitas das vezes, esse expediente é utilizado por golpistas; quando o consumidor percebe que há algo errado, já se passou muito tempo, minando os meios de resolução. Atente-se ao preço do envio (frete): às vezes a oferta parece vantajosa, mas adicionando o valor do frete passa a não mais compensar.

6) Comprovação:

Guarde todos os registros de sua compra, como e-mails de confirmação, comprovantes de pagamento, códigos de rastreamento e de realização da compra. Se possível, salve e arquive a tela de cada etapa (prints).
 

7) Direitos:

Mesmo em se tratando de momento promocional, nacionalmente divulgado, importante ressaltar que todos os direitos e garantias previstos pelo Código de Defesa do Consumidor permanecem inalterados, como o cumprimento da oferta, garantia de produtos e serviços, direito de arrependimento nas compras realizadas fora do estabelecimento comercial, entre outros.

No caso de dúvidas ou tendo o direito violado, procure o Procon de Viçosa, situado à Rua Gomes Barbosa, 942, 7º andar, Centro. O atendimento presencial é feito de forma agendada pelos telefones: 3892-5222, 3891-6500 e 3891-7345.

Fonte: Prefeitura de Viçosa

Publicidade

NOVO ENDEREÇO NA RUA DOUTOR MILTON BANDEIRA, 34 – LOJA: 01 – CENTRO
WhatsApp (31) 9 8675-7021

Publicidade

(31) 3892-7686

Publicidade

(31) 3891-2524

Publicidade

Publicidade

Publicidade