Coes de Viçosa cobra definição sobre repasses financeiros no combate à Covid-19
18 de fevereiro de 2022

Os membros do Coes de Viçosa (Centro de Operações Emergenciais em Saúde) se reuniram, remotamente, na noite desta quinta-feira, 17, e entre os assuntos da pauta estava a suspensão dos leitos de UTI e clínicos Covid-19 pelo governo de Minas.

Abrindo a reunião, o secretário Municipal de saúde, Rainério Rodrigues Fontes – presidente do Coes de Viçosa – disse que já foi solicitada à UFV (Universidade Federal de Viçosa) a indicação de representantes daquela instituição no Coes. Ele falou da ocupação de leitos Covid (clínicos e de UTIs) que está em queda no município e da vacinação de jovens, adultos e idosos que segue em ritmo acelerado na cidade.

Durante o encontro, foi informado sobre o decreto municipal que define ponto facultativo na segunda-feira de carnaval e na quarta-feira de cinzas e o feriado na terça-feira, decisão alinhada com a Casa do Empresário.

O secretário municipal de Fazenda, Dionísio Márcio Irias de Souza, disse que não haverá liberação de alvarás para a realização de eventos públicos ou privados, nesses dias, e os estabelecimentos particulares, detentores de alvarás permanentes, deverão observar a capacidade máxima de 50% de público ou 500 pessoas em um mesmo ambiente.

Em relação aos leitos hospitalares a preocupação é a de como arcar com as despesas dos leitos clínicos uma vez que nem o governo federal, nem o governo estadual se posicionaram com relação a destinação de recursos vinculados à Covid-19 para pagamento dos leitos. De acordo com o secretário de Saúde, nesses dois primeiros meses do ano de 2022, a Prefeitura de Viçosa está arcando com todas as despesas relacionadas ao Pronto Atendimento e aos leitos clínicos dos hospitais com recurso próprio.

Segundo a Nota Técnica do Governo do Estado 3/SES/SUBPAS/SRAS/2022, os leitos de UTI Covid-19 serão desautorizados, automaticamente, a partir do dia 28 de fevereiro de 2022, sendo assim os leitos clínicos seguirão as mesmas normas.

A Secretaria Municipal de Saúde vem cobrando, constantemente, através da Regional de Saúde e do Cosems (Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde) uma posição, o mais rápido possível, dos governos para que o Município de Viçosa possa seguir com o trabalho prestado, na área da saúde, a população da melhor forma possível.

Após decisão dos governos federal ou estadual será alinhado com a direção dos dois hospitais um plano de ação para a continuidade do trabalho de combate à Covid-19.

Além dos secretários de Saúde e Fazenda, também participaram da reunião o procurador geral do Município, Adriano de Castro Antônio; o secretário municipal de Administração e Planejamento Estratégico, Luan Campos Monteiro  Gomes; o diretor da Casa do Empresário, Franklim Abreu; o médico Regulador do SUS, Flávio Henrique Tanure Cassemiro; a chefe do Departamento de Vigilância em Saúde, Lilian Aparecida Gomes de Souza; o presidente da FAV (Fundação Assistencial Viçosense), Joaquim Andrade Neto; e a representante do Hospital São Sebastião, Silvânia Souza.

Fonte: Prefeitura de Viçosa

publicidade

publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade