Fiocruz inicia distribuição de remédio para tratamento contra HIV/Aids
9 de março de 2022

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) iniciou a distribuição do Dolutegravir 50 mg, considerado um dos mais modernos antirretrovirais utilizados atualmente no tratamento de HIV no mundo. A produção é fruto de uma aliança estratégica com a GSK – companhia farmacêutica multinacional britânica – e seu braço ViiV Healthcare, firmada em julho de 2020. 

Em fevereiro, foi realizada a entrega da primeira remessa à instituição, um total de 16,5 milhões de comprimidos. Ao longo do ano, serão encaminhadas mais de 64,5 milhões de unidades farmacêuticas deste medicamento ao Sistema Único de Saúde (SUS). O Dolutegravir  foi  introduzido no SUS em 2016, e distribuído a mais de 300 mil pacientes, beneficiando aqueles que ainda não iniciaram o tratamento com outros antirretrovirais ou apresentaram resistência às formulações anteriores.

Absorção de Tecnologia

A internalização da tecnologia do Dolutegravir se dará por meio de transferência reversa: começa pela etapa final (análise de controle de qualidade e embalagem) e, aos poucos, a Farmanguinhos/Fiocruz vai absorver as demais etapas do processo. 

Desta forma, o medicamento será totalmente fabricado no laboratório parceiro. Após esse período, o Instituto passará a produzir gradualmente a demanda. Ao final da transferência, toda a produção será executada no Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM) de Farmanguinhos/Fiocruz.

Benefícios da aliança estratégica

Além da absorção do Dolutegravir 50mg, o projeto prevê ainda a colaboração para fabricação local de uma combinação deste antirretroviral com a Lamivudina 300 mg em dose única diária.

 A tecnologia será transferida para a Farmanguinhos em fases. A parceria também vai gerar economia aos cofres públicos com redução dos custos de aquisição do medicamento, o que diminui a dependência do Programa de HIV/Aids por insumos importados, em médio e longo prazos. 

De acordo com o diretor Jorge Mendonça, outro objetivo é trazer para o Brasil mais conhecimento na fabricação desses produtos estratégicos para o SUS, o que fortalece o Complexo Econômico e Industrial da Saúde (Ceis).

“Farmanguinhos sempre busca o que tem de melhor em termos de tecnologia e adesão ao tratamento. Com essa aliança estratégica, passamos a fornecer os dois principais medicamentos para o tratamento do HIV, o Dolutegravir, e mais a combinação de Tenofovir com Lamivudina. Nos próximos dois anos, com a transferência de tecnologia, esperamos já estar produzindo o Dolutegravir dentro da nossa unidade e, no futuro próximo, fabricar a combinação dele com Lamivudina, ou outras combinações que o Ministério da Saúde, por meio do programa de DST/Aids, aprove”, apontou Mendonça.

Protagonismo no tratamento de HIV/Aids

O Brasil se tornou referência mundial em sua política de acesso universal a antirretrovirais, e Farmanguinhos é o principal produtor público desta classe de medicamentos, atuando na ampliação da disponibilização do tratamento aos pacientes.

Atualmente, o portfólio do Instituto conta com nove produtos: Dolutegravir, Atazanavir, Efavirenz, Lamivudina, Nevirapina, Zidovudina, Lamivudina+Zidovudina e Tenofovir+Lamivudina, e o Entricitabina+Tenofovir, usado na Profilaxia Pré-exposição ao HIV (PrEP).

Apesar de uma redução muito significativa, ainda se morre de Aids no Brasil. Em 2019, último ano de que se tem dados oficiais concluídos, 10,5 mil óbitos foram registrados tendo a doença como causa básica.

Fonte: O Tempo

publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade