Um ano após mulher ser enterrada viva em Visconde do Rio Branco, indiciados ainda aguardam julgamento
28 de março de 2024

Há um ano, o caso de uma mulher deixada desacordada dentro de uma gaveta no Cemitério de Visconde do Rio Branco por aproximadamente 10 horas chocou moradores da cidade e de todo o país. Ela permaneceu por vários dias internada na UTI do Hospital São João Batista.

A vítima, de 36 anos, foi encontrada na manhã do dia 28 de março de 2023, depois que coveiros perceberam que a estrutura estava fechada com tijolos e cimento fresco e chamaram a Polícia Militar.

Neste período, três suspeitos de participação no crime foram localizados e indiciados. Dois deles, de 20 e 22 anos, foram presos no dia 4 de abril, nos municípios de São Geraldo e Viçosa, pouco antes de tentar fugir para o estado do Rio de Janeiro. O terceiro, de 22 anos, se apresentou voluntariamente na delegacia no dia 20 de abril.

A mulher foi socorrida e permaneceu internada por mais de um mês, com traumatismo craniano, cortes no couro cabeludo, lesão grave no dedo da mão e fratura nos braços. Ela chegou a correr o risco de amputar os dedos, já que ele também foi atingido pelo objeto cortante que feriu a cabeça dela.

Réus aguardam julgamento

Conforme informações processuais da Vara Criminal e de Execuções Fiscais de Visconde do Rio Branco, os autos foram conclusos para julgamento no dia 12 de março, e dois dos réus aguardam a decisão de pronúncia para saber se serão levados ao Tribunal do Júri. Ambos continuam presos.

O terceiro suspeito aguarda perícia médica de insanidade mental, e por este motivo, o processo a qual responde encontra-se suspenso.

Eles respondem por:

  • Homicídio qualificado;
  • Crimes contra o patrimônio;
  • Extorsão;
  • Crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos;
  • Violação a sepultura;
  • Crimes de tráfico ilícito e uso indevido de drogas;
  • Associação para a produção e tráfico e condutas afins;
  • Crimes de tortura.

Informações: G1

publicidade

publicidade

publicidade