Minas Gerais dá início à campanha anual de vacinação antirrábica
2 de julho de 2024

A campanha de vacinação antirrábica animal começou nesta segunda (1) em Minas Gerais e será realizada até o dia 30/7 em todo o estado. Cada município é responsável por operacionalizar a vacinação em seus territórios e fornecer informações para a população quanto ao período e locais em que o serviço vai ocorrer.

A meta é imunizar 80% da população canina e felina de Minas Gerais e, para tanto, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) enviou 3.290.700 doses da vacina para os 853 municípios. Nas próximas semanas, mais 1,2 milhão de doses serão disponibilizadas.

A doença

A raiva é uma zoonose considerada infecciosa e grave, que pode ser transmitida dos animais ao homem e vice-versa. Causada por um vírus, a doença afeta o sistema nervoso central e possui nível elevado de letalidade, na maioria dos casos, tanto nos animais quanto em humanos.

A transmissão ocorre por mordeduras, arranhões e lambidas de animais doentes. Cães, gatos e morcegos são as principais fontes de infecção nos ambientes urbanos.

De acordo com os dados da CEVZ, de janeiro a abril deste ano não foram notificados casos de raiva em cães, gatos ou humanos no estado. Em 2022, Minas teve dois casos de raiva, sendo um em cachorro e um em gato. Em 2023, não foram notificados casos em cães ou gatos.

Sintomas

O principal sintoma da doença em cães e gatos é a mudança de comportamento. A maioria dos animais apresentam sinais como salivação excessiva, dificuldade para engolir, alterações nos hábitos alimentares e até paralisia.


Se houver acidente ou agressão por animal desconhecido ou com suspeita de raiva, é essencial limpar o ferimento com bastante água corrente e sabão ou detergente, para diminuir o risco de infecção e procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) o mais breve possível.

Prevenção e cuidados
 

  • A vacinação é a forma mais segura para prevenir a raiva, portanto, os animais de estimação devem ser levados para vacinar durante as campanhas anuais;
     
  • É recomendável evitar contatos desnecessários com animais desconhecidos, especialmente se estiverem se alimentando, com crias ou dormindo;
     
  • É preciso ter cuidado com morcegos e animais silvestres, pois eles também podem transmitir o vírus da raiva para os humanos;
     
  • Se o animal apresentar sintomatologia compatível com a raiva e não houver possibilidades de observação em local seguro, é recomendado que a eutanásia seja feita por profissional habilitado;
     
  • A profilaxia pré-exposição é uma medida de prevenção indicada apenas para pessoas com risco de exposição permanente, como veterinários, profissionais de laboratórios, pessoas que atuam diretamente no manejo de animais durante suas atividades ocupacionais, entre outros;
     
  • A profilaxia antirrábica humana com sorovacinação ou vacinação está disponível em todas as URS e nos municípios jurisdicionados, sendo indicada conforme a avaliação do profissional de saúde responsável pelo atendimento.

Informações: Agência Minas